Dados Gerais Sobre Energia Eólica no Brasil – Crescimento de 25 % somente em 2017

Rio Grande do Norte permanece como maior produtor de energia eólica do país

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE divulgou, nesta segunda-feira(18/09), dados consolidados do seu boletim InforMercado mensal que mostram que a produção de energia eólica em operação comercial no sistema Interligado Nacional – SIM, entre janeiro e julho de 2017 , foi 25,3% superior à geração no mesmo período do ano passado.

Os dados mostram a força de um setor que está em crescimento e ganhando importância cada vez maior e sendo inclusive a salvação de muitas cidades do Nordeste devido ao baixo nível dos reservatórios da região.

De acordo com o infograficoeolicanobrasil   o boletim aponta que, por estado, o Rio Grande do Norte permanece como maior produtor de energia eólica do país com 1.227 MW médios em 2017, aumento de 25,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Em seguida, aparece a Bahia com 819 MW médios produzidos (+30%), o Rio Grande do Sul, que alcançou 565,6 MW médios (+16,3%) e o Ceará com 494 MW médios (+1,3%).

 

cliqueaquisomaticaeducar

 

Continue reading

Compartilhe:

Geração eólica no Ceará vai saltar 44% nos próximos anos

Geração Eólica no Ceará

 

Estado continua com boa participação na geração eólica e também na solar e beneficiaram-se através dos debates que aconteceram  entre os dias 4 e 6 de outubro, na All About Energy, no Terminal de Passageiros do Mucuripe

Continue reading

Compartilhe:

Sistemas de energia fotovoltaica serão incluídos nos projetos do Minha Casa, Minha Vida

Energia Fotovoltaica e Minha Casa, Minha Vida

Segundo publicação do site canalernergia.com.br, o Ministério das cidades vai publicar portaria nós próximos dias prevendo a inclusão de sistemas de energia solar fotovoltaica nos imóveis do Programa Minha Casa, Minha Vida. Sendo que a iniciativa é resultante de estudos desenvolvidos por técnicos da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, em parceria com Furnas  a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

A inclusão dos sistemas de microogeração distribuída nos projetos de habitação popular do governo foi anunciada pelo Ministro das Cidades, Bruno Araújo, na ultima quinta-feira, 10 de agosto. Araújo participou de encontro com os responsáveis pelo estudo e com representantes do setor de construção civil, que entregaram uma avaliação da viabilidade do uso desses sistemas nos imóveis destinados à população de baixa renda.

24 mil empregos diretos e indiretos e geração de renda para os trabalhadores empregados nesses projetos na casa dos R$ 200 milhões.

Dados da Absolar mostram que com uma contratação na faixa de 400 mil novas residências por ano, será possível acrescentar 256 MW pico de geração distribuída em microssistemas fotovoltaicos a cada 12 meses. Isso representa R$ 1,65 bilhão em investimentos, com a criação de 24 mil empregos diretos e indiretos e geração de renda para os trabalhadores empregados nesses projetos na casa dos R$ 200 milhões.
O consumidor de baixa renda típico tem consumo na faixa de 100 kWh por mês de energia, e o sistema projetado geraria na faixa de 70 kWh/mês, com economia de 70% na média de consumo. Restariam, em média, 30 kWh fornecidos pela distribuidora através da rede.O presidente executivo da Absolar, Rodrigo Sauaia, explica que o conceito do Minha Casa Minha Vida é diferente de projetos-piloto já implantados no país na área de habitação, porque ele nasce totalmente integrado às regras da Resolução  482, da Agência Nacional de Energia Elétrica. Ao contrário de projetos anteriores à regulação da Aneel, não será mais necessária autorização especial do órgão.

Sauaia destaca os benefícios sociais, ambientais, estratégicos e elétricos para o sistema (energia no ponto de consumo, redução de investimentos na rede) da inserção da tecnologia no programa social; além do incentivo ao desenvolvimento da cadeia produtiva. “Infelizmente, apesar do grande esforço que o segmento tem feito para avançar no Brasil, ele enfrenta ainda dificuldades para avançar , e a Aneel recentemente soltou uma nota técnica que revisou para baixo a expectativa de crescimento.  Isso é muito negativo”, lamenta o executivo.

 

Compartilhe: