Arqueação de Carga Granel Líquido

A arqueação de granel líquido é feita de forma diferente da arqueação de granel sólido, pois o granel líquido possui características diferentes do granel sólido, levando a diferenças no transporte do granel líquido em relação ao granel sólido e também diferenças entre o navio transportador de carga líquida.

Compartilhe:

Autor: FRANCISCO AURELIO CAMPOS MILHEIRO
e-mail: aureliomilheiro@gmail.com

Curso Arqueação de navios – Somática Educar

A arqueação de granel líquido é feita de forma diferente da arqueação de granel sólido, pois o granel líquido possui características diferentes do granel sólido, levando a diferenças no transporte do granel líquido em relação ao granel sólido e também diferenças entre o navio transportador de carga líquida. 

Os navios tanque são os principais navios para transporte de granel líquido

O transporte de cargas líquidas é tão importante quanto o de granel sólido, desde as bebidas, como vinho e sucos, até os produtos da indústria do petróleo e gás e outros produtos químicos.
O granel líquido porém tem suas complexidades que dificultam as operações, o cálculo de arqueação de seu navio é feito de maneira diferente, o transporte de líquidos deve levar em consideração fatores adicionais como pressão e temperatura que deixam o navio que o transporta igualmente complexo.


Os líquidos podem ser transportados tanto em granel quanto em caixas ou barris e os sólidos podem ser transportados em granel ou container ou caixas. Quando se fala em transporte a granel, é importante esclarecer que a carga a granel indica que o líquido ou o sólido está sendo transportado diretamente nos porões ou tanques do navio, ou seja o líquido não é encaixotado antes de entrar no navio, então não existe uma embalagem ou caixa ou barril onde se armazena o granel líquido antes de entrar nos tanques ou o granel sólido antes de entrar nos porões dos navios. O granel líquido entra em contato direto com a estrutura dos tanques do navio. Os navios que transportam líquidos como vinho ou suco ou leite tem seus tanques preparados para manter a conservação e pureza destes líquidos, sem contaminar esses produtos. Existem também os navios de produtos químicos que tem estruturas especiais para suportar essas cargas.


Particularidades dos líquidos transportados: – Movimento de superfície livre, é o movimento do líquido dentro de um outro objeto (que também está sujeito a um movimento), esse movimento é importante para o dimensionamento da estrutura dos tanques e influencia na divisão dos tanques. – No navio de granel líquido, a carga e descarga é feita através de um sistema de carga e descarga, composto por bombas, tubos, válvulas, mangotes. A ligação dessas linhas de carga com o terminal do porto pode complicar em casos de variação forte da maré ou movimentos fortes do navio. – A limpeza dos tanques que transportam granel líquido é feita de maneira diferente dos tanques que transportam granel sólido. A limpeza é importante para evitar contaminação ou mistura das cargas de granel líquido. – Estanqueidade dos tanques, pois a carga líquida vazaria se não houvesse a vedação total dos tanques dos navios; – Risco de derramamentos dos líquidos se ocorrer corrosão da estrutura ou dano por impacto, devido a isso os navios de granel líquido tem obrigatoriedade de possuir a estrutura dos tanques com fundo duplo. – variação do volume, temperatura e pressão do granel líquido transportado; – diferença entre a temperatura da carga e a temperatura das tabelas de volume dos tanques dos navios;


Existem também os navios que transportam gases liquefeitos. Inicialmente (1928) o transporte era feito em vasos de pressão transportados a temperatura ambiente. A partir de 1959 foram construídos navios que possibilitavam o transporte semi-pressurizado, o que possibilitou diminuir a pressão em que os gases eram transportados através da diminuição da temperatura do navio. A partir de 1963 navios completamente refrigerados entraram em operação, possibilitando o transporte de gases como o LNG e LPG em pressão atmosférica, porém com uma temperatura baixíssima.
Navios para transporte de líquidos químicos: A partir de 1950 navios especialmente para transporte de químicos foram construídos, como o ácido sulfúrico, tinham tanques revestidos de liga de aço, com reforço estrutural para resistir a produtos de densidade elevada. A partir de 1960 foram construídos navios com tanques revestidos de aço inoxidável. A partir de 1993 a MARPOL determinou a obrigatoriedade de cascos duplos para petroleiros, para evitar derramamento de carga líquida no mar.
Para fazer o cálculo de arqueação da carga líquida dentro de um tanque, devemos medir a altura do volume de líquido dentro do tanque, com o auxílio de uma trena sonda que identifica a interface superior do líquido dentro do tanque, e também mede a temperatura do líquido dentro do tanque, essa altura do líquido dentro do tanque é chamada de Ullage ou Innage. Ullage é a altura do tanque vazio, ou seja é a altura entre o nível superior do líquido e o topo do tanque. Innage é a altura do tanque cheio de líquido, ou seja a altura entre o fundo do tanque e o nível superior do líquido dentro do tanque. O surveyor deve medir também a temperatura do líquido dentro do tanque, pois durante o cálculo deveremos corrigir o volume pela temperatura padrão das tabelas de conversão. Além disso, deve-se passar na ponta da trena sonda uma pasta especial que identifica a presença de água no fundo dos tanques, pois pode haver água no fundo dos tanques e essa água não deve ser contabilizada como carga dentro dos tanques. O surveyor deve medir também a densidade da carga, para usar nos cálculos do volume de carga dos tanques.


Após medir o Ullage dos tanques devemos fazer os cálculos consultando a tabela dos volumes dos tanques do navio, essas tabelas relacionam os valores de Ullage ou Innage com valores de volume dos tanques e para valores de Trim, por isso devemos calcular o Trim, pois a tabela possui valores para Trim even keel (Trim zero) ou derrabado (Trim positivo) ou embicado (Trim negativo). Pode-se observar que a leitura de calados para calcular o valor do Trim apenas é necessário para sabermos se ao consultar na tabela de Ullages x Volume, consultaremos em valores de Trim zero, positivos ou negativos, mas os cálculos são diferentes do Draft Survey para granel sólido, não é necessário fazer as correções de Trim, pois os valores de carga corrigidos para o Trim são lidos nas tabelas dos volumes de cada tanque do navio.

Tenha acesso ao artigo completo abaixo

Compartilhe:

Equilíbrio de Flutuação

Quando um corpo emerge na superfície da água, ele passa a deslocar um menor volume de água.

Compartilhe:

Autora: Patrícia Gomes dos Santos

E-mail: mpengenharia18@gmail.com

Curso Arqueação de Navios – Draft Survey

Instituição: Curso a distância Somática Educar

Quando um corpo emerge na superfície da água, ele passa a deslocar um menor volume de água. De acordo com o Princípio de Arquimedes, seu empuxo (que antes era maior do que seu peso ) diminui. O bloco ficará em equilíbrio de flutuação na superfície da água quando a força de empuxo for exatamente igual ao peso. Dizemos que o corpo ficará flutuando em equilíbrio estático.

Segue o Texto Completo

Compartilhe:

O que faz um arqueador de navios?

Arquear é precisar o volume de água deslocado por um navio, através da leitura de calados, cálculos matemáticos e tabelas

Compartilhe:

Autora: Isabela dos Santos Muniz

E-mail: belinhamuniz@hotmail.com

Curso de Arqueação de Navios – Somática Educar

Os trabalhos de Arqueação de Embarcações e Plataformas Flutuantes são executados pelo processo “Draft-Survey” com base na leitura das marcações de calado, para estabelecer o volume ou peso das mercadorias embarcadas ou desembarcadas, bem como os trabalhos de arqueação de granéis sólidos, líquidos ou gasosos, realizados através da pesagem ou medidas diretamente pelo espaço cheio do tanque ou pela medição do espaço vazio.

Arquear é precisar o volume de água deslocado por um navio, através da leitura de calados, cálculos matemáticos e tabelas. O cálculo desse volume se faz através do princípio de Arquimedes – “Todo corpo, parcialmente ou totalmente submerso em um líquido, sofre uma força vertical de baixo para cima, denominada empuxo, cuja intensidade é igual ao peso do volume deslocado por aquele corpo”.

A conferência da carga é realizada de duas formas. Na primeira maneira, por diferença de deslocamento se chega na quantidade de carga movimentada, utilizado para aferimento de granéis sólidos. Nos granéis líquidos, a aferição é realizada conforme a sondagem e medição da temperatura do material que existe em cada tanque.

O processo de arqueação deve ser feita antes do início da realização do carregamento ou descarregamento, para apontar o peso do volume de água inicialmente deslocado pela embarcação, este valor irá definir seu peso total, podendo também ser verificado no decorrer da operação (carga ou descarga) para um resultado intermediário e após o seu término, sendo os dois últimos levando em conta o deslocamento inicial e final aonde aferimos a diferença, no intuito de verificar a carga do navio.

Para realizar a arqueação, é necessário o conhecimento do navio, sua geometria, sua estrutura e algumas constantes do navio, bem como a utilização de tabelas.

O trabalho do arqueador consiste em cruzar os dados coletados com os apontados nos documentos fiscais da embarcação, o arqueador autentica as informações prestadas pelos responsáveis pelos produtos, visando supervisionar os produtos transportados. Essa ação proporciona uma fiscalização mais eficaz, mediante a aferição in loco, das movimentações de carga nas embarcações, permitindo maior controle, além de ajudar a coibir a sonegação fiscal. Cada medição (arqueação) é uma perícia.

O arqueador pode atuar em empresas que operam por meio de portos e terminais fluviais ou marítimos que realizam movimentação de cargas internamente ou atuam na importação ou exportação, transportadores, agentes de carga, terminais alfandegados, trading companies, empresas fiscalizadoras de carga, perito da Receita Federal, entre outras.

Compartilhe:

Diferenças na Arqueação de Navios

Não se deve, por exemplo, ler os calados pela manhã e somente de tarde tomar a densidade da água do mar. Os passos são efetuados um imediatamente após o outro

Compartilhe:

Instituição: Somática Educar

Curso: Arqueação de Navios – Draft Survey

Autor: GILBERTO DORIA

E-mail: gilberto.doria@coimbra-brazil.com.br

Os textos de referência no ensino da Arqueação de Navios (Draft Survey) já citam que esta técnica não é 100% exata, sendo considerado que 0,5% a 1,0% de precisão nos cálculos mesmo com todo rigor no procedimento é uma marca desafiadora, mas comum na maioria dos bons trabalhos profissionais.

É importante que a medição da carga pela arqueação realizada pelas várias partes envolvidas, seja no embarque ou no recebimento, tenha o mínimo de diferenças para que seja acreditada; e para evitar disputas de interesses; pois claro, os valores envolvidos são normalmente representativos.

É necessário disciplina no ritual rigoroso dos procedimentos para convergir para boa precisão nos resultados. Como ensina o mestre CLC Esteves: “A Draft Survey é uma operação continuada. Isso significa que ela deve ser feita de uma só vez; os passos que a compõem devem ser efetuados seguidamente. Não se deve, por exemplo, ler os calados pela manhã e somente de tarde tomar a densidade da água do mar. Os passos são efetuados um imediatamente após o outro”.

Os passos básicos onde podem ocorrer as diferenças, são os pontos listados abaixo:

1 – Leitura dos calados nas marcas do costado;

2 – Determinação da densidade em que o navio flutua;

3 – Determinação da “constante do navio”;

4 – Determinação do peso dos “consumíveis”;

5 – Cálculo do calado correspondente;

6 – Determinação do deslocamento real do navio; e

7 – Determinação do peso da carga.

Devemos considerar um ponto adicional muito importante nestes passos:

8 – Análise crítica dos resultados – pois para emissão final do Certificado de Draft Survey há que se ter certeza de que todos os passos foram seguidos e conferidos, e sempre há uma segunda parte fazendo o mesma medição – por exemplo, na Draft Survey independente realizada pelo arqueador contratado pelo embarcador, há no mínimo of imediato do navio realizando a mesma medição, senão terceiros inspetores também contratados, dependendo do caso. É salutar uma conferência entre as partes, observado o zelo profissional, mesmo com interesses divergentes para verificar os resultados se estão convergentes. Os resultados não precisam ser iguais, mas um desvio grande em um deles pode significar motivo suficiente para uma verificação criteriosa de ambas as partes.

Só há uma realidade e é bom lembrar que, a medição também será feita no local do recebimento da carga, e não deveria haver diferenças significativas, como já dissemos podem levar a disputas, descrédito e suspeição das arqueações anteriores. Este o motivo do rigor a ser seguido nos passos da inspeção de arqueação.

Na realidade, em publicação recente do Departamento de Prevenção de Perdas do West of England (P&I), o clube registra que regularmente recebe reclamações, algumas consideráveis, decorrentes de alegadas faltas de granéis sólidos, como resultado de discrepâncias entre os resultados de inspeção de arqueação. Neste sentido, publicou uma série de recomendações a seus associados, sobre as causas mais comuns dos desvios nas arqueações e recomendações para mitigar estes casos, que mencionamos à seguir:

Verificar o Artigo Completo Abaixo

Nosso aplicativo

Para saber novidades nas áreas de draft survey e demais áreas basta baixar nosso aplicativo em seu dispositivo mobile

Clique na Figura Abaixo e Baixe Gratuitamente

Compartilhe:

O que é arqueação de navios ou Draft Survey?

A arqueação é a medida do volume interno de uma embarcação. A arqueação de cada navio compreende a arqueação bruta e a arqueação líquida. Atualmente, as medidas de arqueação internacionalmente em vigor consistem em valores adimensionais obtidos por fórmulas de cálculo onde entram os volumes expressos em metros cúbicos, o número de passageiros, o pontal e a imersão de cada navio.

Arqueação Bruta

 

A arqueação bruta (AB ou GT, em inglês: gross tonnage) é a função do volume de todos os espaços interiores de um navio, medidos desde a quilha até à chaminé pelo exterior do cavername.

A Arqueação Bruta consiste portanto numa espécie de índice de capacidade, usado para classificar um navio com os objetivos de determinar as suas regras de governo, de segurança e outras obrigações legais, sendo um valor adimensional, apesar da sua derivação estar ligada à capacidade volumétrica expressa em metros cúbicos.

As medida da Arqueação Bruta está regulada da ICTM 1969, que a define como “a função do volume moldado de todos os espaços fechados do navio”.

 

Arqueação Líquida

A arqueação líquida (Net Tonnage) é uma medida dos espaços úteis para transporte de carga ou de passageiros.

 

Tonelada de Arqueação (Tonne)

É a unidade de volume em que era expressa a arqueação antes da entrada em vigor da Convenção de 1969. Também designada por tonelada Moorson , representa o volume equivalente a 100 ft3 (2.832 m3).

 

Resumindo a Arqueação Bruta reflete a dimensão do navio e a Arqueação Líquida reflete a capacidade do navio gerar receita. 

Os volumes considerados são medidos sobre as linhas de traçado, podendo portanto ser calculados com base em desenhos. A arqueação líquida é função do número de passageiros, o número de tripulantes não é tido em conta.

 

Alguns Cálculos de Arqueação Bruta e Líquida

Arqueação Bruta

tempo de qualificação com a Somática Educar
http://somaticaeducar.com
Cálculo da Arqueação Líquida
arqueação líquida

Powered by Somática Educar
Compartilhe: