As Fases de Um projeto de Aeroporto

O projeto de um aeroporto passa por diversas normas e regulamentos específicos da área, ou mais abrangentes, voltados a todo o ramo de construção.

Compartilhe:

Autor: Elohim Adonai dos Santos Nery Nunes Ribeiro

Brasília – DF

Instituição: Somática Educar

Introdução

Um dos principais modos de transporte no território brasileiro, atualmente, é o aéreo. Antes do impacto destrutivo da pandemia do COVID-19, os dados do anuário de transporte aéreo da ANAC (publicados em 2020 sobre as operações de 2019) indicaram mais de 951.000 operações, e 119,4 milhões de passageiros transportados (contando repetições), e cerca de 50.000 pessoas empregadas no serviço do transporte aéreo (ANAC, 2020).

Tal movimentação e importância exige diversos cuidados ao se projetar uma infraestrutura capaz de suportar as solicitações de público e carga que demandam do transporte aéreo. Estas solicitações são, em sua maior parte, suportadas pelos aeroportos.

A ANAC define um aeroporto como um aeródromo público dotado de edificações, instalações e equipamentos para apoio às operações de aeronaves e de processamento de pessoas e/ou cargas (ANAC, 2018).

O projeto de um aeroporto passa por diversas normas e regulamentos específicos da área, ou mais abrangentes, voltados a todo o ramo de construção. Em Outubro de 2021, a Secretaria de Aviação Civil tornou público o Manual de Projetos Aeroportuários, que busca reunir as várias vertentes envolvidas no projeto e construção de um aeroporto.

Neste artigo, serão explicadas as fases principais de projeto de lado ar, e lado terra de um aeroporto no Brasil.

Desenvolvimento

De maneira geral, os projetos de um aeroporto passam por 3 fases maiores: Estudo de demanda e localização, Geometria do Lado Ar e Geometria do Lado Terra.

  • Estudo de Demanda e Localização

No início de um projeto aeroportuário, são realizados estudos para a avaliação da demanda desta infraestrutura para determinada população. Os estudos envolvem as distâncias aos aeroportos mais próximos, matrizes origem-destino, análise da população impactada (positiva e negativamente) pela presença de um aeroporto próximo, potencial turístico/comercial da região e potencial empregatício da população da(s) cidade(s) onde o aeroporto é implantado. Estes estudos visam avaliar a viabilidade socioeconômica de implantação de um aeroporto naquela região.

Após a aprovação da construção de um aeroporto, são avaliadas as condições físicas e ambientais no local onde este será projetado. Aeroportos trazem edificações grandes, e necessitam de grandes áreas de intervenção. Por isso, devem ser cumpridas normas de proteção ambiental, relativas a qualidade do ar, mudanças climáticas, ruídos, fauna e flora. Também devem ser observados os aspectos meteorológicos, já que as condições de temperatura, chuvas, ventos e altitude impactam diretamente a segurança de voo.

  • Geometria do Lado Ar

Define-se o Lado Ar de um aeródromo a área delimitada pelo seu limite operacional, ou seja, toda a área de movimento (pátio de aeronaves, áreas utilizadas para pouso e decolagem, áreas de taxiamento, etc.), assim como as edificações adjacentes, cujo acesso é controlado. Inclui-se, portanto neste projeto os seguintes itens compondo o Lado Ar:

  • Área do Pátio;
  • Pistas de Táxi;
  • Área de Espera;
  • Pistas de Saída Rápida;
  • Pista de Pouso e Decolagem;
  • Espaço Aéreo da TMA (Terminal Manoeuvering Area);
  • Espaço Aéreo de Rota

A definição de geometria, dentre outras especificações, destas áreas é regulamentada pela própria Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), por meio de Regulamentos Brasileiros da Aviação Civil (RBAC’s). O principal RBAC utilizado para a definição das características físicas e visuais destas áreas é o RBAC N°154 – Emenda N°6, de 2019.

Os projetos de geometria do Lado Ar passam pelas definições de:

  • Mix de Aeronaves/Aeronave de Projeto;
  • Dimensões da Pista de Pouso e Decolagem;
  • Dimensões das Pistas de Táxi;
  • Dimensões de Pátio, Espera e Estacionamento de Aeronaves;
  • Sinalização de pistas e áreas pavimentadas
  • Plano de Zoneamento de Ruído
  • Plano Básico de Proteção de Pista
  • Geometria do Lado Terra

O lado terra corresponde a área do aeroporto de uso público, cujo acesso não é controlado, ou seja, as regiões anteriores aos canais de inspeção de segurança do aeroporto, como vias de acesso, meio-fio de embarque, saguão de embarque e áreas de check-in, pertencem ao lado terra (INFRAWAY, 2018).

A principal edificação (ou conjunto de edificações) do lado terra de um aeroporto é o Terminal de Passageiros. O terminal deve ser projetado de acordo com a demanda de passageiros, dimensões da aeronave modelo e expectativas do perfil dos usuários da infraestrutura (turistas têm necessidades diferentes de pessoas que viajam a trabalho). Os pontos básicos que devem ser considerados nos projetos do lado terra são:

  • Tipologia do Terminal;
  • Acesso e Meio Fio;
  • Dimensionamento da Área Global;
  • Análise do Nível de Serviço em Dia/Hora-Pico;
  • Pontos de Check-ins;
  • Regiões de Espera/Circulação de Passageiros;
  • Sala(s) pré-embarque;
  • Área(s) de restituição de bagagens;
  • Instalações auxiliares de segurança (emergência, segurança e saúde).

Além destes projetos, o operador do aeroporto deve garantir que haja a oferta adequada de infraestrutura básica no local do empreendimento, contendo disponibilidade de água, esgoto e eletricidade suficientes para as operações dispendiosas de um aeroporto.

Conclusão

O desenvolvimento de um projeto de aeroporto é extenso e repleto de detalhes, normas e procedimentos necessários para prover uma infraestrutura adequada às solicitações do mesmo. Desta forma, é importante que haja estudos e capacitação de profissionais adequados em todas as fases de um empreendimento, desde o desenvolvimento de pesquisas e análises a respeito das melhores técnicas, passando por tecnologias consistentes para cálculo e projeto, além de um bom gerenciamento de obras, para garantir a boa execução do que foi projetado. Por fim, vale ressaltar que o bom estado da infraestrutura aeroportuária é agente ativo da satisfação dos usuários de um aeroporto, o que reforça a importância de um bom plano de manutenção e operação, garantindo que a vida útil da infraestrutura seja conservada.

Fontes Consultadas

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RBAC 01: regulamentos brasileiros de aviação civil. Definições, regras de redação e unidades de medida. [S.l.], 2008. (Regulamentos Brasileiros de Aviação Civil)

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (2020)². Mercado aéreo em 2019: maior número de passageiros transportados da série histórica. Disponível em https://www.anac.gov.br/noticias/2020/mercado-aereo-registra-maior-numero-de-passageiros-transportados-da-serie-historica. Acesso em 26/04/2021.

Secretaria Nacional de Aviação Civil. Manual de projetos aeroportuários [livro eletrônico] : volume único / [organização Marcio Maffili Fernandes, Leila Cristina Miateli Pires, Adriana Lima Rolim ; ilustração Gabriel Córdova]. — 1. ed. — Brasília, DF:, 2021.

INFRAWAY Engenharia de Infraestrutura. Projetos Geométricos Lado Ar e Lado Terra. Disponível em https://infraway.com.br/projetos-geometricos-lado-ar-e-lado-terra/. 2018.

Young, Seth. Aeroportos [recurso eletrônico] : planejamento e gestão /Seth Young, Alexander Wells ; tradução: Ronald Saraiva de Menezes; revisão técnica: Kétnes Ermelinda de Guimarães Lopes. – 6 ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre: Bookman, 2014.

Compartilhe:

Autor: Somática Educar

Somática Educar - cursos profissionalizantes e de capacitação a distância

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.