A IMPORTÂNCIA DO CARRO ULTRASSOM NA MANUTENÇÃO DE UMA VIA PERMANENTE

Curso de Capacitação em Manutenção de Vias Permanentes – Somática Educar

Autora:Daniela Calavort Bastos

danielacalavort@hotmail.com

Vitória, ES – 2020.

RESUMO

As manutenções vêm sendo consideradas atividades estratégicas nas empresas por atuarem diretamente sobre o desempenho da produção, principalmente no aumento da confiabilidade e da segurança na empresa. Elas estão ligadas a redução de gastos e consequentemente, a maximização dos lucros. Definir a estratégia adequada de manutenção é tarefa essencial para a ferrovia que almeja longevidade em seus negócios e busca alcançar objetivos de longo prazo. Existem duas possíveis reações à qualidade insuficiente da via: baixar a velocidade de serviço ou a realização de operações de manutenção. Embora a primeira seja mais barata no curto prazo, eventualmente a qualidade diminuiria sob o mínimo permitido pela lei e pelas restrições de segurança. A qualidade do serviço também pode sofrer deterioração. Além disso, baixar a velocidade reduz a capacidade máxima da faixa. Com isso, um plano de manutenção adequado visa encontrar um trade-off entre custos de manutenção e perda de capacidade de serviço (Peralta et al., 2018).

INTRODUÇÃO

A partir de 1996 iniciou-se o processo de concessão das ferrovias brasileiras. Entre os anos de 1996 e 2017, as ferrovias reduziram mais de 86% no índice de acidentes, mantendo padrões internacionais de segurança (ANTT, 2019). Em 2017, as ferrovias de cargas brasileiras ampliaram o seu volume transportado atingindo um recorde de 538 milhões de toneladas úteis. Em função do aumento na utilização destas ferrovias, as manutenções frequentes têm se tornado uma necessidade e motivo de preocupação para as empresas que possuem as concessões das mesmas. Como as ferrovias no Brasil são muito antigas, caso as manutenções não ocorram de forma frequente elas podem se tornar inoperantes (ANTF, 2019). Uma ferrovia é um sistema autoguiado composto basicamente por via permanente, material rodante, sinalização/comunicação e operação. A via permanente é o conjunto das instalações e equipamentos que compõem as partes da ferrovia onde circulam os trens. Ela é composta pela infraestrutura e superestrutura. A infraestrutura é o conjunto de obras destinadas a formar a plataforma da estrada e suportar a superestrutura. Já a superestrutura é a parte da via permanente que recebe os impactos diretos da composição ferroviária. Ela é composta pelos trilhos, dormentes, lastros, sublastro e Aparelhos de Mudança de Via (ROSA; RIBEIRO, 2016). Os elementos da superestrutura estão sujeitos a diversas condições, como intempéries e desgastes das mais diferentes formas. O trilho é um dos elementos da superestrutura que mais sofre desgastes, principalmente pelo contato roda/trilho, no qual todo peso da composição ferroviária é transferido para os trilhos por meio das rodas. Junto a estes desgastes, cresce a possibilidade de ocorrência de trincas, fissuras ou quebras de trilho, tornando a necessidade de manutenções uma realidade. Uma maneira de prevenir e evitar avarias em trilhos é utilizar o carro ultrassom. Este equipamento fornece dados que ao serem interpretados indicam, antes de acontecer qualquer incidente, a necessidade de se interromper totalmente a via ou apenas reduzir a velocidade de operação da mesma até a troca de um trilho. Em resumo, o equipamento auxilia a equipe de manutenção a identificar pontos críticos para realização de manutenções relacionadas à integridade dos trilhos.

Leia o Trabalho Completo Abaixo!

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.