Uso do jornalismo em processos educativos: o caso da “Imprensa Jovem Online” como modelo para implantação na Rede Federal

O campo teórico-prático da Educomunicação é o encontro da educação com a comunicação e seu caráter multimídia, colaborativo, dialógico e interdisciplinar, que consiste num conjunto de ações destinadas a construir ecossistemas comunicativos abertos e criativos com relação horizontalizada entre os participantes e produção cooperativa de conteúdos. Para tanto, são utilizadas diversas linguagens e instrumentos de expressão, arte e comunicação, aliados a uma metodologia pedagógica, que são destinados a espaços educativos mais ou menos formais.

Compartilhe:

Autora: Carole Ferreira da Cruz

Jornalista e servidora do Instituto Federal de Sergipe (IFS)

Curso de Capacitação em Educomunicação e Ensino a Distância da Somática Educar

O que é Educomunicação

O campo teórico-prático da Educomunicação é o encontro da educação com a comunicação e seu caráter multimídia, colaborativo, dialógico e interdisciplinar, que consiste num conjunto de ações destinadas a construir ecossistemas comunicativos abertos e criativos com relação horizontalizada entre os participantes e produção cooperativa de conteúdos. Para tanto, são utilizadas diversas linguagens e instrumentos de expressão, arte e comunicação, aliados a uma metodologia pedagógica, que são destinados a espaços educativos mais ou menos formais.

A Educomunicação buscar transcender os conceitos tradicionais e hegemônicos da comunicação, relacionados à persuasão e fortalecimento da imagem institucional, para construir processos comunicativos mais inclusivos, democráticos e emancipadores, em que os objetivos principais são: formação cidadã, empoderamento, socialização dos conhecimentos e criação de consensos; crescimento da autoestima e da capacidade de expressão; melhoria do aprendizado e constituição de trajetórias de vida alinhadas com valores éticos, sociais e humanistas.  

Os projetos em Educomunicação podem ser desenvolvidos em qualquer ambiente de formação e englobam aspectos teóricos e/ou aplicados, normalmente relacionados à criação e ao fortalecimento dos canais comunicativos em salas de aula e espaços afins para que se tornem abertos, democráticos e expressivos. Durante o processo, são construídos conteúdos educativos capazes de ampliar o diálogo, a participação, o engajamento e a criatividade por meio da gestão democrática das mídias e das ferramentas digitais, que dão vez e voz aos estudantes. 

As experiências mais exitosas no Brasil acontecem em escolas públicas com alunos em faixa etárias semelhante aos dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, a chamada Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, que oferece ensino público, gratuito e de qualidade para milhares de adolescentes em todo o país e iniciou em 2005 um arrojado processo de expansão com a interiorização dos cursos ofertados, entre os quais os cursos técnicos integrados ao ensino médio. Por abranger estudantes dos mais diferentes perfis culturais, sociais e econômicos, essas unidades de ensino são espaços estratégicos para o desenvolvimento de projetos educomunicativos.

Os referidos projetos integram às práticas educativas intervenções a partir de linhas estratégicas de atuação (educação para a mídia, uso das mídias na educação, produção de conteúdos educativos, gestão democrática das mídias, e prática epistemológica e experimental do conceito) e possibilitam agregar valor à formação infanto-juvenil a partir da ampliação da capacidade de expressão, do estímulo ao pensamento crítico e do incentivo ao protagonismo estudantil na produção de conteúdos midiáticos. 

Os princípios da Educomunicação compreendem a sala de aula como um território dedicado à apropriação, construção e produção de conhecimento, capaz de alinhar as relações humanas com a aprendizagem e oportunizar a integração de conteúdos curriculares com as percepções de mundo dos jovens. Estes, por sua vez, são incentivados a desenvolver intervenções sociais na comunidade escolar e/ou no seu entorno por meio da produção de vídeos, programas de rádio, jornais, postagens em mídias sociais, realização de mostras fotográficas e de cineclubes etc.

Crescimento no Brasil

O cenário da Educomunicação no Brasil está em expansão e tem alcançado cada vez mais legitimidade na sociedade. Crescem a cada ano as experiências de projetos bem-sucedidos em escolas públicas e privadas, sobretudo em grandes centros como Brasília-DF, Rio de Janeiro e São Paulo – onde funcionam os projetos Educom Radio (2001) e Imprensa Jovem Online (2014) e foram implantados os primeiros cursos superiores na área. Atualmente, há 57 programas de pós-graduação no país voltados à interface entre Mídia e Educação, que só nos últimos dez anos produziram mais de 200 teses e dissertações.

A Educomunicação é uma linha de ação do Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), que tem como objetivo proporcionar meios interativos e democráticos para que a sociedade possa produzir conteúdo e disseminar conhecimentos, por meio da comunicação ambiental voltada para a sustentabilidade. Diversas prefeituras, instituições de ensino e ONG’s vêm contratando profissionais especializados nessa área para cuidarem de projetos educativos que levam conteúdos e ferramentas midiáticas para a escola.  A Unesco está engajada no propósito de ampliar as políticas públicas para a alfabetização midiática informacional e tem a pretensão de convertê-la em temas para a prática escolar. Por conta disso, vêm sendo feitas articulações com governos e o terceiro setor para a construção de políticas que impulsionam as instituições de educação a incorporar o fenômeno

Para ler o Artigo Completo clicar abaixo

Compartilhe:

A segurança da aviação no Brasil pós-pandemia

Na aviação a segurança é colocada sempre em primeiro lugar, ou seja, acima de qualquer fundamento ou atividade que venha a ser realizada no ramo, o que envolve também medidas preventivas além de protocolos sanitários em função da pandemia que o Brasil atualmente vem passando.

Compartilhe:

Autor: Alexandre C. Freitas

Aracaju – SE

Somática Educar

  1. INTRODUÇÃO
    Na aviação em geral, existe uma gama de complexidades que, para ser preciso uma boa atuação, são necessários treinamentos e atualizações constantes em cada setor, sendo o principal e o mais essencial deles, a segurança. Na aviação a segurança é colocada sempre em primeiro lugar, ou seja, acima de qualquer fundamento ou atividade que venha a ser realizada no ramo, o que envolve também medidas preventivas além de protocolos sanitários em função da pandemia que o Brasil atualmente vem passando. O objetivo deste artigo é orientar sobre as medidas sanitárias de segurança adotadas de imediato nos aeroportos do Brasil pós-pandemia, pelos órgãos públicos.

Quando nos referimos à segurança na aviação em geral, estamos enfatizando tudo o que ocorre nos mais diversos setores do ramo da aviação, pois qualquer erro ou falha em uma operação da aviação, pode custar a vida de seres humanos. Na aviação tudo é muito complexo e deve ser analisado e estudado com extrema cautela, pois em caso de incidente, nenhuma hipótese deverá ser descartada. Segundo a Política Nacional de Aviação Civil – PNAC (BRASIL, 2009), o objetivo permanente e mais importante do setor da aviação civil é a segurança, sendo uma premissa para o funcionamento desse setor. A ideia de segurança compreende um estado permanente da preservação da plenitude patrimonial e física dos clientes. Assim, dois pilares são fundamentais para o exercício da aviação civil, a segurança operacional e a proteção contra atos ilícitos. De acordo com a ICAO – Organização Internacional de Aviação Civil (2013), a segurança operacional pode ser definida como um processo constante que visa a identificação de perigos e a gestão dos riscos associados às operações aéreas, para que a chance de lesionar pessoas ou ocasionar avarias em propriedades torne-se pequena e seja mantida em um nível aceitável ou abaixo deste.

Para ler o artigo completo clicar abaixo

Compartilhe: