A influência da densidade da água na imersão do navio

Densidade é a razão entre a massa de um material e o volume por ele ocupado, isso significa que a densidade é uma propriedade especifica de cada material e pode ser calculada para líquidos, sólidos ou gases

Compartilhe:

Autor: João Sarmento de Oliveira

Vila Velha – ES

Curso Arqueação de Embarcações e Plataformas flutuantes com ênfase na quantificação de mercadorias a granel,sólido, líquido e gasoso

Densidade é a razão entre a massa de um material e o volume por ele ocupado, isso significa que a densidade é uma propriedade especifica de cada material e pode ser calculada para líquidos, sólidos ou gases por meio da seguinte fórmula:

Densidade = massa/volume

A densidade de um líquido pode ser medida na prática por meio de um aparelho chamado “densímetro”. Ele é formado por um tubo de vidro com uma haste graduada em densidades, e, na parte inferior, possui uma parte mais larga e mais “pesada”. Ao ser colocado no líquido, o densímetro fica numa posição em que o nível do líquido fica exatamente em cima da graduação da haste. O densímetro é muito usado para verificar adulterações em determinados produtos. Por exemplo, você já deve ter visto em postos de gasolina um densímetro que fica à mostra, mergulhado no etanol.

Para acessar o artigo completo clicar abaixo

Compartilhe:

NORMAS DA RECEITA FEDERAL ATINENTES AO SERVIÇO DE ARQUEAÇÃO DE GRANÉIS EM EMBARCAÇÕES MERCANTES

A atividade de arqueação de navios consiste em um processo indireto de se aferir o volume ou o peso das mercadorias embarcadas ou desembarcadas com
base na flutuação da embarcação. Trata-se de uma medição que, apesar de indireta, pode-se dizer bastante precisa, além de ser alternativa às pesagens de
terra (mediante balanças).

Compartilhe:

Autor:Daniel Veiga Jusi
PR -Fazenda Rio Grande
Instituição: Somática Educar
Curso: Arqueação de Embarcações e Plataformas flutuantes com ênfase na
quantificação de mercadorias a granel sólido, líquido e gasoso.

A atividade de arqueação de navios consiste em um processo indireto de se
aferir o volume ou o peso das mercadorias embarcadas ou desembarcadas com
base na flutuação da embarcação. Trata-se de uma medição que, apesar de
indireta, pode-se dizer bastante precisa, além de ser alternativa às pesagens de
terra (mediante balanças).


A designação de um profissional perito neste tipo de operação, contudo,
somente pode ser feita por quem tiver legítimo interesse na lisura da quantificação.


Dentre os possíveis interessados, podem-se citar: recebedores, importadores,
exportadores, despachantes, armadores, afretadores, seguradoras, terminais e
claro: o governo. E é aqui que entra a Receita Federal do Brasil (RFB), órgão
integrante do Ministério da Economia, que através de suas alfândegas e aduanas, responsabiliza-se pelo efetivo controle aduaneiro das mercadorias que entram e saem do país.

Para ler o artigo completo clicar abaixo

Compartilhe:

Herança de Arquimedes aplicada na vida moderna: arqueação de embarcações

O princípio de Arquimedes afirma que a força de empuxo atua verticalmente e  para cima sobre os corpos total ou parcialmente imersos em fluidos, além  disso, de acordo com esse princípio, tal força tem o mesmo valor do peso do  fluido, deslocado pela inserção do corpo.  

Compartilhe:

Autor: Alexandre de Góes

Fazenda Rio Grande – PR

Curso Arqueação de Navios

 Introdução:  

O princípio de Arquimedes afirma que a força de empuxo atua verticalmente e  para cima sobre os corpos total ou parcialmente imersos em fluidos, além  disso, de acordo com esse princípio, tal força tem o mesmo valor do peso do  fluido, deslocado pela inserção do corpo.  

História do princípio de Arquimedes:  

Arquimedes de Siracusa foi um dos maiores matemáticos e inventores de todos  os tempos, no entanto, sua descoberta mais famosa foi a  da força de empuxo. De acordo com a lenda, Arquimedes descobriu o princípio  do empuxo enquanto estava tomando um banho em sua banheira.  

Nessa ocasião, ele percebeu que o volume de água que escorria para fora de  sua banheira era igual ao volume imerso de seu próprio corpo. De acordo com  a história, Arquimedes teria ficado tão entusiasmado com sua descoberta que  saltou de sua banheira e correu nu pelas ruas  gritando “Eureka, eureka!” (expressão grega sobre o sábio ter encontrado  algo).  

Uma outra narrativa relata que Arquimedes foi solicitado pelo rei Hieron II para  que investigasse a composição de uma coroa que havia encomendado. O rei  havia ordenado que sua coroa fosse feita de ouro maciço, mas, ao recebê-la,  desconfiou que outros metais pudessem ter sido usados em sua forja. Para  sanar sua dúvida, pediu que Arquimedes descobrisse se sua coroa era de ouro  puro ou não.  

Arquimedes mergulhou, em um recipiente cheio de água, sucessivamente, a  coroa e dois objetos maciços, feitos de ouro puro e prata, cujos pesos eram  exatamente iguais aos da coroa. Fazendo isso, percebeu que a coroa  derramava menos líquido que o ouro, mas mais líquido que a prata, o que  sugeria que ela não era puramente composta de ouro.  

Empuxo e o princípio de Arquimedes  

De acordo com o princípio de Arquimedes:  

“Qualquer objeto, total ou parcialmente imerso em um fluido ou líquido, é  impulsionado por uma força igual ao peso do fluido deslocado pelo objeto.”  

Como já vimos, a força descrita pelo princípio de Arquimedes hoje é conhecida  como força de empuxo. Essa força é igual, em módulo, ao peso do fluido, que é  deslocado quando nele inserimos algum corpo. É essa força que faz com que  os navios não afundem ou, ainda, que nós sejamos capazes de flutuar na  água. 

Para ler o artigo completo clicar abaixo

Compartilhe:

Entendendo a Logística em Portos

Quem costuma importar e exportar produtos precisa ter algum conhecimento de como funciona a logística em portos e aeroportos. Isso porque são nesses locais que as cargas chegam e são despachadas. Neste trabalho final iremos aprender algo muito relevante, sobre a logística portuária

Compartilhe:

Autor: Alexandre de Góes

Fazenda Rio Grande – PR

Curso arqueação de embarcações e
plataformas flutuantes com ênfase na
quantificação de mercadorias a granel, sólido,
líquido e gasoso.

Introdução:  

Quem costuma importar e exportar produtos precisa ter algum conhecimento  de como funciona a logística em portos e aeroportos. Isso porque são nesses  locais que as cargas chegam e são despachadas. Neste trabalho final iremos  aprender algo muito relevante, sobre a logística portuária:  

Quando falamos dos portos, a logística se refere a área da administração que  compreende as atividades de movimentação das cargas. Isso quer dizer que o  transporte, o carregamento e o descarregamento de todas as embarcações,  assim como toda a parte de controle, é responsabilidade da logística portuária.  É importante você saber que a logística portuária é considerada uma das mais  complicadas no Brasil. O processo é bem burocrático e exige que muitas  informações sejam detalhadas, entregues e isso reflete no prazo que as  mercadorias são entregues.  

Podemos dividir a logística dos portos em três tipos, confira:  

Completo fixo: 

Essa parte se refere a estrutura física da logística portuária, como os próprios  portos, os terminais portuários, armazéns, cais e todos os materiais envolvidos.  Administração: 

Todas as entidades que estão envolvidas no gerenciamento dos portos e no  processo em si. Alguns exemplos são: as docas, o Grupo Executivo de  Modernização dos Portos, o Órgão Gestor de Mão de Obra e o Conselho de  Autoridade Portuária.  

Operação:  

Como já diz o nome, é a parte responsável por fazer as operações. Envolve o  operador do porto, pilotos marítimos, os rebocadores e ainda o Sindicato dos  Trabalhadores Avulsos.  

Para ter acesso ao artigo completo clicar abaixo:

Compartilhe:

TRIM DE EMBARCAÇÕES MERCANTES

O termo “trim” significa a inclinação do navio para um de seus extremos

Compartilhe:

AUTOR: HECTOR GUILHERME BARSOTTI

Curitiba – Paraná

Curso Arqueação de Navios – Draft Survey

O termo “trim” significa a inclinação do navio para um de seus extremos (proa ou popa).  A maioria dos navios mercantes são projetados para navegar em águas parelhas, ou seja, sem trim. Porém com certa frequência são vistos navios frequentando os portos brasileiros com algum trim, seja pela proa ou pela popa.

O arquiteto naval ao projetar um navio mercante, normalmente, tenta maximizar a quantidade de carga embarcada para uma determinada dimensão pré-definida. Com frequência estas dimensões são ditadas pelos requerimentos dos portos que o navio frequenta ou vias navegáveis que transita, como canal do Suez ou do Panamá. Simultaneamente ele utiliza conceitos e fundamentos de hidrodinâmica para projetar o casco mais eficiente, com a menor resistência possível, assim o navio utilizar menor quantidade de combustível e permite um maior lucro sobre cada viagem. 

O trim de uma embarcação estacionária, que não foi projetado para existir, pode ser pelo carregamento da carga desigual, onde existe maior concentração de peso em um dos extremos do navio. Também pode ocorrer em um navio em lastro (sem carga), onde é necessário deixar a popa lastrada a fim de manter seu propulsor e leme submersos. 

Uma embarcação sem trim quando parada pode trimar quando entrar em movimento, isto ocorre pelo alteração da distribuição de pressão da água no casco da embarcação. O movimento do navio em relação a água reduz a pressão debaixo do casco do navio, afundando-o. Entretanto a forma do casco pode causar uma redução maior na proa ou na popa, resultando no trim.

Trim faz parte do cotidiano dos diferentes navios ao redor do mundo. É de fundamental importância que as pessoas envolvidas na sua operação, tanto a bordo quanto em terra, tenham conhecimento das suas causas. Ignorar o fato que o navio esta trimado, pode interferir nas leituras de calado e como consequência alterar a estimativa de carga de um navio. Igualmente importante para quem manobra o navio, pois a existência de um trim acentuado, tanto para proa quanto para popa, pode alterar as características de manobra do navio.

Obras consultadas: 

  • LEWIS, EDWARD V. – Principles of Naval Architecture, SNAME (The Society of Naval Architects and Marine Engineers) Vol. II & III (3ª Edição: 1988/1989).
  • FONSECA, MAURÍLIO M. – Arte Naval. Rio de Janeiro – SDM (7ª Edição: 2005).
  • MacELREVEY, DANIEL H. &MacELVERY, DANIEL E. – Shiphandling for the Mariner. CORNELL MARITIME PRESS (4ª Edição: 2004).
Compartilhe: