INFLUÊNCIA DA DENSIDADE DAS ÁGUAS NA ESTABILIDADE E NA CAPACIDADE DE CARGA DOS NAVIOS

Quando se fala em embarcações entre pessoas leigas, sempre surgem perguntas do tipo “como pode um objeto desse tamanho não afundar?” ou, ainda, “esse navio é mais pesado do que água, como ele consegue boiar?”. Na verdade, não se deve levar em conta unicamente o peso propriamente dito – ou a massa –, mas, sim, sua forma e, portanto, sua densidade.

Compartilhe:

Autora: LUCIANA SILVA GUIMARÃES 

luciana_sguimaraes@hotmail.com 

Curso Arqueação de Navios – Draft Survey 

Somática Educar 

Quando se fala em embarcações entre pessoas leigas, sempre surgem perguntas do tipo  “como pode um objeto desse tamanho não afundar?” ou, ainda, “esse navio é mais pesado  do que água, como ele consegue boiar?”. Na verdade, não se deve levar em conta  unicamente o peso propriamente dito – ou a massa –, mas, sim, sua forma e, portanto, sua  densidade. 

Participe do Curso Arqueação de Navios – Draft Survey – Clique Aqui!

Essas questões intrigam a humanidade há muitos anos, tanto é que Arquimedes, que viveu  entre 288 e 212 a.C., enunciou o seguinte princípio: “Todo corpo imerso em um fluido  sofre ação de uma força (empuxo) verticalmente para cima, cuja intensidade é igual ao  peso do fluido deslocado pelo corpo”. 

O Princípio de Arquimedes, como ficou conhecido, diz respeito ao empuxo, que está  relacionado ao peso do líquido deslocado e não ao peso do corpo submerso. Sendo assim,  essa é a justificativa para as embarcações flutuarem, pois elas possuem uma determinada massa, distribuída por um grande volume, o que faz com que sua densidade seja menor  do que a da água em que ele flutua. 

Além disso, pelo Princípio de Arquimedes, o peso do navio, que age verticalmente para  baixo, está em equilíbrio com o empuxo, o qual possui mesmo módulo do peso e age  sobre o navio, verticalmente para cima. 

Para ver o Artigo Completo Clicar Abaixo

Compartilhe:

Operação e Manutenção de Parque Eólico

Para que um plano de manutenção seja adequado, é necessário que ele esteja em conformidade com as normas de segurança estabelecidas. Antes de um técnico realizar qualquer procedimento, ele deve considerar o grau de risco da atividade tendo a certeza de que todas as medidas de segurança foram tomadas, garantindo o êxito do seu trabalho, desempenhado corretamente e com segurança. O treinamento é realizado, geralmente, por escolas profissionalizantes ou pelos próprios fabricantes de aerogeradores.

Compartilhe:

AUTOR : José Bernardino Dos Santos Júnior 

EMAIL : bernardinojose859@gmail.com 

NOME DO CURSO : Operador De Parque eólico 

INSTITUIÇÃO: Somática educar 

Introdução

 Um passo importante para o bom desempenho de uma usina de energia eólica em pleno  funcionamento consiste na eficiência do seu programa de manutenção e operação. O plano  de manutenção consiste, basicamente, em três fases: Manutenção corretiva, preventiva e  monitoramento.

Normalmente, os investidores de parques eólicos compram dos “traficantes  de aerogeradores” um pacote incluído peças e serviços para manutenção. Esse período de garantia se estende por alguns anos. No entanto, apesar dessa tendência, incluindo -se o  Brasil, existem experiências que, gradualmente, ocorrem com mais frequência de investimento  dos proprietários de parques eólicos nos programas internos de manutenção. Entre as  vantagens dessa nova política, pode-se destacar a familiaridade da equipe de manutenção com  o histórico de falhas apresentadas por uma turbina em particular e por todo o  parque.(American, 2011) 

 Com o plano de manutenção, é possível verificar quando as peças, componentes dos  equipamentos, necessitam de substituição. Geralmente, os fabricantes de aerogeradores  oferecem de 2 a 5 anos de garantia para reparos ou substituições de peças. No entanto, alguns  dos investidores optam por 2 anos devido à diminuição da ocorrência de falha após os dois  primeiros anos. Isso acontece por que, após a instalação, os aerogeradores devem se captar  às condições de vento, clima, entre outros fatores tópicos do local onde o parque está  construído, sendo necessários diversos ajustes. Terminada garantia, o proprietário do parque  decide se estabelecer um programa interno de manutenção ou terceiriza o serviço. 

 Deve-se ter muito cuidado com o contrato de garantia, devendo-se incluir o reparo ou  substituição dos componentes defeituosos bem como saber o que ocasiona tal defeito – pode  ser problema na fabricação – e ter a garantia da disponibilidade de peças para 20 anos ou  mais. Um componente com defeito na fabricação pode diminuir o desempenho técnico e  económico do aerogerador ao longo do tempo. 

 Os componentes responsáveis pelas principais falhas nas turbinas são o sensor 5%, gerador 9% ,sistema de controle 19% , Fitch 9%, sistema elétrico 19% , caixa de velocidades 20%  outros 24% , mais dentre elas se destacam-se a caixa de velocidade ( também conhecido por gear-box , caixa multiplicadora ou caixa de engrenagens ). o sistema de controle e o  acionamento do controle de Pitch. Interligado, esses componentes respondem por 48% das  falhas nos aerogeradores.

 Para que um plano de manutenção seja adequado, é necessário que ele esteja em  conformidade com as normas de segurança estabelecidas. Antes de um técnico realizar  qualquer procedimento, ele deve considerar o grau de risco da atividade tendo a certeza de  que todas as medidas de segurança foram tomadas, garantindo o êxito do seu trabalho,  desempenhado corretamente e com segurança. O treinamento é realizado, geralmente, por  escolas profissionalizantes ou pelos próprios fabricantes de aerogeradores. 

 Além disso, no desenvolvimento dos planos da manutenção, é preciso estabelecer um  cronograma na execução da manutenção variada em intervalos de 4 , 6 , 12 , 24 e 48 meses,  assegurando que os aerogeradores estarão sempre funcionando corretamente. Os reparos  podem ser agrupados de acordo com o tipo manutenção, seja ela, elétrica, mecânica ou  estrutural. 

 CUSTO DA MANUTENÇÃO  

 A maioria dos contratos entre fabricantes e proprietários de parques eólicos contém uma  cláusula que proíbe a divulgação de qualquer parte dos contratos, incluindo os custos de  operação e manutenção (O & M). Em outras palavras, a informação valiosa de custos de O &M  existe , mas não pode ser compartilhada. 

 Em geral, estão inseridas nos custos de manutenção, a manutenção preventiva, corretiva, as peças de reposição e os equipamentos de segurança ( EPIS ) para os técnicos. No entanto,  existem divergências sobre o quanto investir nesse orçamento, uma vez que as mudanças dos  requisitos para manutenção e os avanços tecnológicos dificultam essa previsão. 

 Peças de reposição e equipamentos de manutenção. 

 A maioria das instalações eólicas está localizada em áreas rurais onde o vento é  abundante. No entanto, devido à localização, a manutenção ou reparo pode sair caro caso  não se tenha um programa de manutenção de manutenção interna. Grande parte do custo  deve se à contratação de terceirizadas, aluguel de equipamentos ou aerogeradores parados. É  necessário um estoque com as peças de reposição recomendadas pelo fabricante, e o tempo  de inatividade de um aerogerador será minimizado se esses materiais/componentes  estiverem estocados nas proximidades do parque eólico 

 Tipos de manutenção aplicadas a aerogeradores  

 A manutenção estrutural inclui toda a manutenção associada à torre, pás, seja na  pintura, limpeza ou monitoramento da estrutura. 

 Embora os atuais sistemas de comunicação de um parque eólico não necessitem da  presença permanente de um operador, a infraestrutura deve ser inspecionado regularmente (  pinho, 2008) ,incluindo portões, vedações, acessos, sinalização, torres metodológicas ,vala de  cabos, subestação, edifício de comando, entre outros. 

 Para reparo em pás danificadas, os maiores obstáculos são o vento e as condições do  tempo. Os ventos fortes impedem que os técnicos façam o reparo devido dificuldade de  acesso. O tempo frio, além de aumentar o risco de acidentes, afeta a capacidade de cura das  pás após reparo. Existem várias formas de acesso às pás e nacele, incluindo escadas,  elevadores, gruas e cordas. No reparo das pás, os técnicos descem desde o topo do  aerogerador por meio de cordas e equipamentos adequados (RAPEL ) . Os trabalhadores usam  cordas espaciais projetadas para levantar equipamentos, ferramentas materiais mais pesados.

 Outra forma de monitoramento estrutural é a utilização de sensores conectados via fibra  ótica e acoplados nas principais partes do aerogerador tais como torres e pás. Registros das  cargas, amplitudes e alterações na frequência também são formadas de verificar se tudo está  funcionando dentro das projeções. Atualmente, a maioria dos fabricantes de aerogeradores e  componentes trabalham com tecnologias de monitoramento que incluem sensores integrados  no sistema de comunicação de dados SCADA (SOARES 2008 ).  

 Na manutenção de subestações , os técnicos devem estar atentos à segurança do  trabalho nesse ambiente. Normalmente, os equipamentos das substituição não necessitam de  muita manutenção, no entanto, as inspeções visuais devem ser feitas, regularmente, não  incluindo a necessidade da manutenção mecânica em alguns casos. Podem -se citar atividades  como configurações de monitoramento, medição de leitura, procedimentos operacionais de  bloqueio/corte, isolamento. 

 A manutenção das subestações é , normalmente terceirizadas , com funcionários  experientes em equipamentos de alta tensão. Os técnicos devem trabalhar sempre em dupla,  no mínimo, devido aos riscos de cada procedimento, além de manter constante contato com a  rota de controle. Muitas empresas acreditam que a formação técnica e a segurança andam de  mãos dadas : o trabalhador mais bem treinado, normalmente , é o mais segurados  trabalhadores. 

 Em termos gerais existem três modelos de manutenção que podem ser adotadas. A  manutenção corretiva utilizada depois que se tem conhecimento da avaria e esta é detectada;  a manutenção preventiva que compreende uma série de inspeções ou ações de manutenção  em intervalos periódicos para evitar o aparecimento de defeitos ; e A manutenção preditiva  utilizada meios de obter informações que permitem predizer quando acontecerá uma avaria  para, assim, poder programar uma ação de manutenção. 

 Veremos a seguir as vantagens e desvantagens de cada manutenção. 

 MANUTENÇÃO CORRETIVA : tem a vantagem de ser simples e não precisa de meios  avançados, tais como softwares, porém o risco de ter um alto tempo de parada no  funcionamento do componente é elevada, o que pode gerar um grande prejuízo. 

 MANUTENÇÃO PREVENTIVA: inicialmente, necessita de um pequeno investimento para  estabelecer o modelo de intervenção; depois, é simples e não requer sequer meios  avançados, entretanto existe o risco de correr intervenções muito frequentes com custo  elevado. Há também, o risco de as intervenções serem tardias, não sendo capaz de evitar um  defeito em algum componente, tornando se semelhante a uma manutenção corretiva. 

 MANUTENÇÃO PREDITIVA: permite predizer com bastante antecedência quando  ocorrerá um defeito um defeito de maneira que é possível programar uma intervenção com  baixos tempos de parada. Entretanto a complexidade é alta e requer meios avançados e  pessoal qualificado, o que gera um custo alto. 

Participe do Curso. Clique Aqui!

FONTE DE PESQUISA : Guia do setor eólico do Rio Grande do Norte

Compartilhe: